Diversos A alta de preços nos próximos 12 meses

A inflação continuará elevada e acima do teto estabelecido pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) – de 6,5% ao ano – impactando a alta dos preços nos próximos 12 meses, período em que os juros serão reajustados. Essa é a expectativa dos consumidores que participaram da Sondagem do Consumidor de julho, divulgada pelo Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

Embora a inflação mensal tenha perdido força em maio e junho, a percepção do consumidor é de que o ritmo de aumento dos preços persistirá. André Braz, economista da FGV, explica que essa avaliação tende a ser “mais lenta” do que a dos analistas para detectar a diminuição no ritmo de expansão dos preços. “O consumidor, em alguns casos, paga 50% mais caro para determinados itens de sua cesta de consumo hoje do que pagava há um ano. O preço pode até cair 10% agora, mas, ainda assim, ficará bem mais caro do que no ano passado. O consumidor só capta diminuição da inflação quando a queda tem a mesma magnitude da alta. O efeito de redução é recente e vai levar um tempo até os preços ficarem convidativos para os consumidores”, afirma.

Preços e juros são duas das principais influências à deterioração da confiança dos consumidores. Na passagem de junho para julho, o ICC (Índice de Confiança do Consumidor) caiu 4,1%, feitos os ajustes sazonais, para 108,3 pontos, o menor nível desde maio de 2009 (103,6 pontos). Foi a maior queda desde agosto de 2011, quando o recuo foi de 4,6%.

Deixe uma resposta