Diversos Cidade americana cria campanha para reduzir o sal em restaurantes

Os restaurantes fizeram mudanças pontuais, como temperar os pedidos com pimenta ou alho em vez de sal e reduzir a quantidade de molhos.  Coordenadores da campanha ´´Healthy Chinese Takeout Initiative´´ (Iniciativa para uma comida chinesa mais saudável, em tradução livre) recrutaram mais de 200 restaurantes em toda a cidade de Filadélfia, no Estado da Pensilvânia (EUA). A campanha quer reduzir entre 10% e 15% a quantidade de sal na comida.

Trata-se do esforço mais recente de uma grande cidade americana para fazer seu povo comer melhor. Muitas delas já baniram gorduras trans e algumas pedem aos restaurantes para divulgarem a quantidade de calorias dos pratos.

A Filadélfia focou sua meta no consumo de sal, já que 37% de seus moradores têm alta pressão arterial. O número é maior (47%) entre os afro-americanos, de acordo com uma pesquisa de 2012.

A campanha, que começou há cerca de um ano, é centrada em pequenos restaurantes chineses, porque eles são ´´uma indústria enorme´´ na cidade, segundo o comissário de saúde Donald Schwarz -servem cerca de 3 milhões de refeições por ano.

Seus pratos são baratos e facilmente disponíveis, especialmente nos bairros de minorias de baixa renda, que muitas vezes não possuem supermercados nem têm acesso a produtos frescos.

´´Mas muitos moradores – e mesmo donos de restaurantes – não percebem como as refeições impactam sua saúde´´, diz Schwarz.

As diretrizes dietéticas americanas recomendam um consumo de menos de 2.300 miligramas de sal por dia -cerca de uma colher de chá. Ocorre que uma porção de yakisoba de frango nos fast food chineses continha, em média, 3.200 miligramas de sal, enquanto uma de yakisoba com camarões e brócolis, 1.900 miligramas.

Os organizadores da campanha ofereceram uma série de aulas de cozinha com pouco sal no verão (do hemisfério norte) do ano passado, com o objetivo de mudar ingredientes, sem alterar o sabor. Nove meses depois, a quantidade de sal nesses dois pratos caiu 20% em amostras de 20 restaurantes. A ideia é repetir o teste em alguns meses e expandir o programa para outros pratos.

Os restaurantes fizeram mudanças pontuais, como temperar os pedidos com pimenta ou alho em vez de sal, reduzir a quantidade de molhos, entregar pacotes de shoyu apenas quando solicitado pelo cliente e divulgar a informação nutricional dos pratos.

Steven Zhu, presidente da Associação de Restaurantes Chineses da Grande Filadélfia, ajudou a recrutar os restaurantes, com a ideia de que comida mais saudável atrairia mais consumidores.

A Food Trust, organização que promove a alimentação saudável, pediu à cidade para trabalhar com os restaurantes, em vez de culpá-los.

Deixe uma resposta