Números do Setor Classe média é maioria nas favelas

Pesquisa do Data Favela mostra que a presença dessa classe econômica aumentou de 37% para 65% A classe média é maioria nas favelas brasileiras, aponta a pesquisa Data Favela, da consultoria Data Popular, divulgada ontem. Segundo o estudo, o número de moradores de comunidades que pertencem à classe média aumentou de 37% em 2002 para 65% em 2013 (veja tabela abaixo). Mais de dois terços dos favelados brasileiros pertencem à metade mais rica do mundo.

Os moradores de favelas no Brasil somam 12 milhões de pessoas. Essa população, de acordo com o Data Favela, consome R$ 56 bilhões em bens e serviços por ano. As comunidades brasileiras movimentam uma renda total comparável ao PIB de um país como a Bolívia. A média de anos de estudo também subiu: de quatro anos em 2002 para seis em 2013.

Outro dado é o de que boa parte do consumo dos moradores de comunidades se dá no comércio localizado nas próprias favelas. Apenas compras planejadas, como as de eletrônicos e eletrodomésticos, acontecem com maior frequência em locais distantes.

Água e luz/ As condições sanitárias e de acesso à luz elétrica também melhoraram, aponta o Data Favela. Em 2002, apenas seis em cada dez residências das classes C e D situadas em nessas comunidades possuíam água canalizada. Em 2013, 90% dos lares situados em favelas têm água canalizada. Houve também a universalização do acesso à rede elétrica.

Mas a rede de esgoto nas favelas ainda engatinha, diz o estudo. Há 11 anos,  quatro em cada dez das residências localizadas nesses locais ainda utilizavam fossas sépticas e tinham o lixo domiciliar coletado indiretamente. Em 2013 um terço das residências ainda utilizam fossas sépticas e oito em cada dez têm o lixo domiciliar coletado diretamente.

Deixe uma resposta