Números do Setor Econ Supermercados pede recuperação judicial

A rede de supermercados Econ protocolou pedido de recuperação judicial na 1ª Vara de Falências do Foro Central Cível, em São Paulo. O comando da varejista tem até o fim da próxima semana para apresentar à Justiça a sua lista de credores, balanço patrimonial e de resultados, e relação de ações judiciais contra a rede. O pedido já foi remetido ao Diário de Justiça Eletrônico.

Há dez anos, somava 85 lojas no País

O Econ é controlado desde o ano passado por um grupo de investidores liderado por Martinho Paiva Moreira, empresário do setor varejista, segundo informou a diretoria do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, com base em dados da Junta Comercial de São Paulo.Uma das maiores redes de supermercados populares no passado, a empresa acumula pendências com bancos, fornecedores de alimentos e funcionários. A rede entrou numa difícil situação financeira após registrar lento crescimento nas vendas, baixa geração de capital de giro e, com isso, aumento no endividamento para cobrir compromissos financeiros nos últimos anos. Há dez anos, a rede somava 85 lojas no País e hoje, esse número chegaria a 12 pontos apenas na capital paulista, pelos cálculos do sindicato.

Em 2004, a CBA (Companhia Brasileira de Alimentos), fornecedora de cestas básicas, adquiriu o Econ do fundo de investimentos Nexus, do Bank of America.

Em maio do ano passado, a CBA negociou a venda da operação para um grupo de investidores. Quem comprou foi Martinho Paiva Moreira, empresário do varejo e diretor da MPM Holding, disse Josimar Andrade, diretor do sindicato.

Na época em que foi vendida do fundo para a CBA, a varejista tinha 30 pontos e receita bruta de cerca de R$ 100 milhões, mas já estaria operando no prejuízo. No ano passado, a varejista acumulava receita de R$ 160 milhões, segundo fonte ligada à rede, mas continuava operando no vermelho. Os passivos da empresa girariam entre R$ 250 milhões e R$ 300 milhões.

Lojas fechadas e  420 empregados demitidos

Desde o fim do ano passado, lojas têm sido fechadas. Entre janeiro e abril, 420 empregados foram demitidos, calcula o sindicato. Fonte próxima ao Econ disse que um dos investidores que faziam parte da negociação de compra da rede teria deixado a operação e recursos para a reestruturação da varejista não foram aportados na empresa.

O juiz Daniel Costa, da 1ª Vara de Falências do Foro Central Cível, pode aceitar ou rejeitar o pedido de recuperação judicial, a depender dos documentos a serem enviados pela empresa.

A CBA informou que não controla mais o Econ Supermercados. Martinho Moreira disse que não comentaria o assunto por razões ligadas ao “imbróglio jurídico” da empresa. Afirmou ainda que não assinou o livro de registro de transferência das ações da rede até o momento.

O Econ foi fundado em 1999, com lojas operando no conceito de “hard discount”, com foco nos preços baixos, poucas marcas nas gôndolas e custos reduzidos. Após 2003, a varejista migrou para o modelo de supermercado de vizinhança, com preços um pouco mais elevados e variedade maior de mercadorias.

faixa_face-1

Deixe uma resposta