Alimentação fora do lar Alimentação Novos hábitos do consumidor derrubam o faturamento da alimentação fora do lar

As pessoas estão gastando menos e indo a padarias para fazer suas refeições com economia. Quem precisa comer fora de casa no dia a dia em São Paulo está buscando opções mais baratas, e clientes que iam a restaurantes caros a lazer estão parando de frequentar os estabelecimentos.

O diagnóstico é de especialistas e empresários do setor. A situação não é uniforme. Enzo Donna, diretor da consultoria ECD, diz que, para entender o mercado de refeições, é preciso separá-lo em dois tipos.

O primeiro é o dos restaurantes que atendem trabalhadores para o almoço. O segundo é de lugares onde gasta-se mais e aonde se vai para jantares especiais.

No mercado da refeição ligada ao trabalho há migração de tíquetes altos para os de menor valor, como nas padarias, onde gasta-se, em média, R$ 14 para almoçar.

Segundo Regina Henriques, 48, sócia da padaria Gêmel, na zona sul de São Paulo, o almoço representa 40% do faturamento do local.

Locais que servem por quilo e fast-food também foram beneficiados.

Outro ambiente

Os restaurantes de refeições especiais vêm sofrendo mais, segundo Donna.

Marcel Gholmieh, 38, sócio dos restaurantes Hooters (que cobra ao menos R$ 30 por um hambúrguer) e Benihana, conta que os resultados deste ano estão aquém do esperado e que está segurando investimentos.

Representantes de entidades de empresários falam em crise. Segundo Joaquim Saraiva de Almeida, presidente da secção paulista da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, o resultado do setor é muito atrelado ao PIB, que deve crescer 2,21%, segundo o último Boletim Focus, do Banco Central.

Edson Pinto, presidente do sindicato de hotéis e restaurantes de São Paulo, diz que, de 2012 para este ano a perda de faturamento foi de 15%.

Ambos apontam um conjunto de fatores que contribuiu para esses resultados: a intensificação na fiscalização de motoristas que bebem álcool, arrastões em restaurantes e até os protestos de rua.

Almeida diz que junho é tradicionalmente movimentado, mas o deste ano teve 20% menos clientes por causa doas manifestações. “As passeatas aconteceram à noite, causaram trânsito, as pessoas não sabiam o que aconteceria nas ruas. Os restaurantes fecharam as portas.”

A pizzaria Urca, que fica a uma quadra da avenida Paulista, fechou duas vezes, relata o gerente Artur Pessoa de Oliveira Neto, 44.

Ele afirma que não foi por causa disso que o movimento caiu, e sim devido ao medo de arrastões e da fiscalização intensa da Lei Seca.

O salão está 20% menos movimentado e o ´delivery´ aumentou 15% em relação ao ano passado, diz. O problema é que o cliente que pede a pizza em casa gasta menos.

Para Donna, a saída para restaurantes não repassarem preços é diminuir o desperdício. ´´Há muita perda na cozinha. A cada quilo de carne, 200 gramas vão para o lixo.

Deixe uma resposta