Alimentação fora do lar Nutrigenética traça plano alimentar contra o envelhecimento

Envelhecer bem e com saúde está entre os principais anseios de quem se preocupa com a aparência. Para fazer bonito aos 60 anos, no entanto, alguns hábitos de vida, que passam inevitavelmente pelo cardápio, devem ser levados em consideração, pois refletem diretamente no visual exibido no espelho.

Mapa genético individual

Pensando nisso, o mercado de estética disponibiliza agora uma importante ferramenta a favor da pele que foge das tradicionais soluções encontradas pelo público feminino: a análise do DNA. Isso porque o genoma humano apresenta diversas variações em suas centenas de sequências que abrigam as características próprias de cada indivíduo e interferem, inclusive, no tipo de alimentação que deve ser seguida por cada pessoa em prol da sua beleza e saúde.  Com a análise do DNA de cada indivíduo, é possível identificar possíveis alterações em genes que têm ligação direta com a pele. Análise laboratorial mostra como o DNA responde à alimentação e que plano alimentar deve ser seguido para melhorar a aparência da pele. Foto: Shutterstock

Laudo do mapa genético é emitido a partir da coleta da saliva da paciente. O material é submetido à análise biotecnológica. Após o exame, o acompanhamento nutricional é essencial para garantir que os objetivos desejados sejam atingidos.

Plano alimentar traçado de acordo com as características genéticas reduz riscos de doenças e ainda ajuda a frear o envelhecimento cutâneo. Por isso, com uma simples análise laboratorial é possível identificar as variantes genéticas associadas à paciente e até mesmo detectar possíveis alterações em genes que têm ligações diretas com a alimentação e, de quebra, com a própria pele, já que alguns alimentos têm o poder de deixar as células da derme saudáveis.

Aparência jovem por mais tempo

“O exame estuda de que forma o DNA responde à alimentação e que plano alimentar deve ser seguido para reduzir o risco do desenvolvimento de doenças, amenizar possíveis respostas inflamatórias e até melhorar a aparência da pele”, explica Aderuza Horst, nutricionista e pós-doutora em ciência dos alimentos pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP).

Um laudo do mapa genético da pele é emitido a partir da coleta da saliva da pessoa (de onde o DNA é extraído). O material é submetido a uma análise biotecnológica, na qual são mapeadas cerca de 125 sequências distribuídas entre genes associados à obesidade, intolerância à lactose e até mesmo ao metabolismo do corpo em relação às propriedades dos alimentos ingeridos. O exame deve ser solicitado somente por um especialista. Após o diagnóstico, a paciente deve receber acompanhamento nutricional para garantir a eficácia do tratamento que, além de beneficiar a saúde, pode manter a aparência jovem por mais tempo e até auxiliar na perda e manutenção do peso.

Ficha Técnica -  Nome do tratamento: nutrigenética. Indicação: melhora a saúde de forma geral, reduzindo risco de doenças e podendo, inclusive, auxiliar na perda e manutenção de peso e no combate ao envelhecimento cutâneo. Benefícios: equilibra o funcionando do organismo, reduz peso e melhora a textura da pele. Quantidade de sessões: a partir do exame, realiza-se o acompanhamento nutricional para alcançar os objetivos almejados.

faixa_face-1

Deixe uma resposta