Números do Setor Padarias articulam-se para conter preços do pão

As notícias recentemente veiculadas sobre o aumento dos preços do pão são improcedentes. O setor, na verdade, está empenhado em manter os preços praticados, com o objetivo de dar suporte ao aumento do consumo brasileiro per capita de pães”. O alerta é do presidente da Associação Brasileira da Indústria da Panificação e Confeitaria (Abip), José Batista de Oliveira.

Trigo norte americano e canadense

De acordo com ele, algumas matérias alertando para a alta dos preços do pão foram erroneamente publicadas, por terem se baseado em informações parciais sobre o suprimento do mercado brasileiro de trigo. “É verdade que a Argentina, nosso maior fornecedor, enfrentou problemas climáticos e também restringiu suas exportações para conter o processo inflacionário, mas os moinhos estão se abastecendo com trigo norte-americano e canadense, de excelente qualidade e em farta quantidade”, diz Batista.

Além disso, ele lembra que a produção brasileira de trigo está em alta. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimou nesta quinta-feira a produção brasileira de trigo em 2014 em 6,7 milhões de toneladas, aumento de mais de 1 milhão de toneladas na comparação com 2013. “Com isso, as importações de trigo deverão cair de 5,7 milhões de toneladas, contra 6,7 milhões no ano anterior”, diz Oliveira, citando projeções da própria Conab.

Varias ações para mais consumo

Adicionalmente, o presidente da Abip ainda lembra que qualquer aumento de preço dos produtos panificados resulta em queda de consumo. “E as padarias estão empenhadas, justamente, em promover o aumento per capita de consumo de pão pelos brasileiros”, diz ele, advertindo para os baixos níveis registrados no Brasil:

“A média de consumo per capita de pães no Brasil é de 33 quilos por habitante/ano, pouco mais da metade do recomendado pela ONU (60 quilos/habitante/ano). Ocorre que temos enorme espaço para crescer, quando verificamos que nossos vizinhos, como a Argentina e o Chile, consomem 72 quilos/ano e mais de 90 quilos/ano, respectivamente”, lembra Oliveira.

Para promover o aumento do consumo brasileiro de pão, a Abip vem investindo em várias frentes. Na esfera institucional, a entidade empenha-se na aprovação do projeto de lei que desonera os produtos panificados. “Essa medida terá enorme impacto sobre o consumo de pães, concorrendo para enriquecer a nutrição do brasileiro e para abrir novos postos de trabalho”, diz Oliveira.

Além desta ação, a Abip está promovendo um diagnóstico dos processos de produção da panificação, que se iniciou com a visita do secretário-geral da União Internacional da Panificação, Jose Maria Vallado, numa iniciativa empreendida em conjunto com a Abitrigo.

faixa_face-1

Você também pode se interessar por:

Deixe uma resposta