Indústria da Alimentação Indústria Pesquisa aponta desaceleração na atividade econômica das micro e pequenas indústrias paulistas

Segundo estudo do SIMPI, o resultado foi estimulado, principalmente, pelo desempenho das micro empresas, que caiu em 2,7%. A pesquisa Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria realizada pelo Datafolha para o Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi-SP) mostra que, após um período de satisfação geral em alta, é esperada uma desaceleração nas atividades da categoria econômica.

Após atingir o nível mais alto de satisfação com o desempenho e faturamento das micro e pequenas indústrias, em outubro, os resultados de novembro sinalizaram que esse cenário promissor deve esbarrar nas incertezas e no desaquecimento trazido pela época de festas de final do ano.

Todos os Indicadores

Os Indicadores de Atividade Empresarial do mês de novembro mostram que, apesar de ser considerada estável, houve oscilação de 1,6 pontos para baixo na comparação com a rodada anterior. Resultado estimulado, principalmente, pelo desempenho das micro empresas, cujo índice de avaliação e desempenho diminuiu 2,7%.

A pesquisa também detectou uma variação negativa no Indicador de Atividade Econômica que alcançou 54,2, ante 58,3 do mês anterior. Ficando abaixo somente dos números registrados em junho (52,1), mês em que os protestos por todo país alteraram significativamente as expectativas dos dirigentes.

Outro recuo foi registrado pelo Indicador de Investimento que na pesquisa anterior atingiu 23,4, e nesta última avaliação caiu para 20,8, mesmo nível apontado em setembro, um dos piores no ano.

O Indicador de Custos atingiu sua segunda maior pontuação no ano, 58,6, abaixo somente do verificado em março, que foi de 60,8, e acima do assinalado em outubro – 8,6 pontos. A alta do indicador comprova que as condições de custos para as empresas melhoraram de um mês para outro.

O Indicador de Empregos permaneceu estável e sinaliza para uma acomodação no ritmo de abertura e fechamento de vagas. O quadro geral da pesquisa aponta para um nível de estabilidade no emprego das micro e pequenas indústrias do Estado.

Dívidas, impostos e inadimplência

A pesquisa Simpi detectou aumento do percentual daqueles que alegam ter dívida, que passou para 38% em novembro, ante 35% registrado no mês de outubro. Os dirigentes creditam essa dívida, principalmente, a empréstimos, acumulo de dívidas e gastos com compra de equipamentos e matéria-prima.

De acordo com os entrevistados a quantidade de impostos e a dificuldade ao acesso à linha de crédito, são os maiores motivos para a diminuição do desempenho positivo de seu negócio.  Do total de empresários que participaram da pesquisa, 85% avaliam que os impostos dificultam o desempenho da empresa, sendo que 39% das MPIs consideram que dificultam muito, 19% acreditam que dificulta e 27% apontam que dificulta um pouco.

Outro fator que voltou a preocupar os micro e pequenos industriais é o acesso à tomada de empréstimos. No mês de novembro 37% afirmam ter dificuldade na obtenção de crédito, sendo 27% os que acham muito difícil e 10% um pouco difícil. Chama atenção para porcentagem dos entrevistados que obteve linha de crédito como pessoa/jurídica, que diminuiu para 30%, ante 40% constatado em outubro.

O estudo ainda revela que a taxa de inadimplência caiu de 38% para 33%. Entretanto, entre as MPIs que levaram calote, detectou-se um aumento de 15%.

Concorrência com Importados

O número de micro e pequenas indústrias que concorrem com produtos importados voltou a aumentar. Nesta avaliação retornou aos 27%, mesmo número registrado em setembro. Porém, as condições favoráveis aos produtos importados e desfavoráveis aos produtos nacionais, continuam altas e atingem 74%.

A pesquisa do Indicador de Atividade das Micros e Pequenas Indústrias de São Paulo, encomendado pelo SIMPI, efetuada pelo Datafolha, foi realizada entre os dias 4 e 22 de novembro, com 310 micro e pequenas indústrias paulistas. São consideradas micros as indústrias que empregam até nove funcionários, e pequenas, de 10 a 50 trabalhadores registrados.

A íntegra das nove pesquisas realizadas pelo SIMPI e Datafolha, desde março, estão disponíveis no site da entidade (www.simpi.org.br).

O Simpi. Fundado em 14 de dezembro de 1988, o Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (SIMPI-SP) representa as micros e pequenas indústrias com até 50 trabalhadores, que correspondem a 95,2% de todas as indústrias paulistas. São 280 mil empresas responsáveis por 1,5 milhão de empregados diretos.

SIMPI faixa_face-1

Deixe uma resposta