Números do Setor Vendas devem diminuir 0,5% na Páscoa

A previsão é que o comércio movimente R$ 2,6 bilhões em negócios relacionados à Páscoa em todo o País. A Páscoa deste ano não será tão doce para o varejo quanto a do ano passado. As vendas devem diminuir 0,5% em relação ao mesmo período de 2014, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Primeira queda em 11 anos

faixa_face-1

A previsão é que o comércio movimente R$ 2,6 bilhões em negócios relacionados à Páscoa em todo o País, o que representaria a primeira queda em 11 anos. O comércio não registrava recuo no volume vendido desde 2004, quando o faturamento real foi 4,8% menor que o do ano anterior. No ano passado, as vendas durante a Páscoa cresceram 3,0% em relação às de 2013, já descontada a inflação.

De acordo com a CNC, a atual tendência de redução no nível de ocupação e na renda da população, decorrente da queda da atividade econômica esperada para 2015, é a principal responsável pelo resultado negativo. “Teremos um número menor de pessoas trabalhando (com carteira assinada) neste ano do que na Páscoa do ano passado”, apontou Fabio Bentes, economista da CNC.

Bentes cita os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, que mostra um recuo de 0,1% na ocupação em fevereiro ante fevereiro de 2014. Em março do ano passado, o número de ocupados crescia 1,0% em relação ao ano anterior. Quanto à renda média dos empregados, houve redução de 1,0% em fevereiro ante fevereiro, enquanto, em março de 2014, o rendimento subia 0,7% em relação a um ano antes.

Outro empecilho às vendas foi a desvalorização do real em relação ao dólar entre a Páscoa de 2014 e a deste ano: a taxa de câmbio saltou de R$ 2,25 para R$ 3,15. “Como a Páscoa tem muito produto importado, os preços vão ficar mais salgados, principalmente de itens como o bacalhau, que é o carro-chefe da data, mas também de vinhos, azeite, pescados e alguns chocolates”, lembrou Bentes.

De acordo com a última prévia da inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os bens e serviços mais demandados durante a Semana Santa acumularam alta de preços de 9,1% nos 12 meses encerrados em março, com destaque para o aumento nos chocolates (10,9%) e pescados (9,3%).

A CNC ressalta que a Páscoa é a sexta data comemorativa mais importante para o varejo, atrás do Natal, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças e Dia dos Namorados.

Deixe uma resposta